“Mapa conceitual” para obtenção da localização geográfica através de medidas de altura de astros


Eugenio Reis Neto

Sequencia:

1. Observa-se a altura do astro com o sextante, anota-se a hora correspondente ao instante da observação (esta hora será, então, transformada em Hora Média de Greenwich – HMG); aplica-se as correções para determinar a altura verdadeira (a) do astro;

2. Resolve-se o triângulo de posição (para a posição assumida), a fim de se obter a altura calculada (ae) e o Azimute Verdadeiro (Az) do astro;

3. Com a diferença de alturas (a – ae) e o Azimute Verdadeiro (Az), traça-se a linha de posição (reta de altura) num gráfico próprio;

4. A interseção com uma segunda reta de altura dará, no gráfico, a localização geográfica do observador.

Esta segunda reta poderá ser uma reta de altura transposta, do mesmo astro, medido num outro momento ou ser a reta de altura de um outro astro, preferencialmente a 90° de visada do primeiro.

Para resolver o triângulo de posição, necessita-se conhecer as coordenadas horárias (AHL e Dec) do astro observado, no instante da observação. Isto é feito com o auxílio do Almanaque Náutico e da Tábua Radler, seguindo suas instruções.

Obs.: Distância zenital do astro (Z) = 90º - altura do astro (a)

Figura 1

Figura 1: Esquema dos elementos para os cálculos que permitem traçar a reta de altura. O triângulo esférico que deve ser resolvido está em destaque

Figura 2

Figura 2: Mapa Conceitual