Loading

O que é o Coronavírus?

Gabriel Correia Lima*

O coronavírus é um tipo de vírus comum que causa infecção no nariz, nos seios da face ou na parte superior da garganta. A maioria dos coronavírus não é perigosa. No início de 2020, após um surto de dezembro de 2019 na China, a Organização Mundial da Saúde identificou o SARS-CoV-2 como um novo tipo de coronavírus. O surto se espalhou rapidamente pelo mundo.

O SARS-CoV-2 é um dos sete tipos de coronavírus, incluindo os que causam doenças graves como a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda súbita (SARS). Os outros coronavírus causam a maioria dos resfriados que nos afetam durante o ano, mas não são uma ameaça séria para pessoas saudáveis.
COVID-19 é uma doença causada pelo SARS-CoV-2 que pode desencadear o que os médicos chamam de infecção do trato respiratório. Pode afetar o trato respiratório superior (seios da face, nariz e garganta) ou o trato respiratório inferior (traqueia e pulmões). Ele se espalha da mesma forma que outros coronavírus, principalmente por meio do contato pessoal. As infecções variam de leves a mortais.

Os coronavírus são novos?

Os coronavírus foram identificados pela primeira vez na década de 1960. Quase todas as pessoas contraem uma infecção por coronavírus pelo menos uma vez na vida, provavelmente quando crianças. No Brasil, os coronavírus regulares são mais comuns no outono e no inverno, mas qualquer pessoa pode contrair uma infecção por coronavírus a qualquer momento. Os sintomas da maioria dos coronavírus são semelhantes a qualquer outra infecção respiratória superior, incluindo coriza, tosse, dor de garganta e, às vezes, febre. Na maioria dos casos, você não saberá se tem um coronavírus ou outro vírus causador do resfriado, como um rinovírus. Você trata esse tipo de infecção por coronavírus da mesma forma que trata um resfriado.

Houve outros surtos graves de coronavírus?
Os coronavírus levaram a dois surtos graves:

  • Síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS). Cerca de 858 pessoas
    morreram de MERS, que apareceu pela primeira vez na Arábia Saudita e
    depois em outros países do Oriente Médio, África, Ásia e Europa.
  • Síndrome respiratória aguda grave (SARS). Em 2003, 774 pessoas morreram em decorrência de um surto. Em 2015, não houve mais relatos de casos de SARS.

Existe mais de uma cepa de SARS-CoV-2?

É normal que um vírus mude, ou sofra mutação, conforme infecta as pessoas. Um estudo chinês de 103 casos de COVID-19 sugere que o vírus que o causa fez exatamente isso. Eles encontraram duas cepas, que chamaram de L e S. O tipo S é mais antigo, mas o tipo L era mais comum nos estágios iniciais do surto. Eles acham que um pode causar mais casos da doença do que o outro, mas ainda estão tentando descobrir o que isso significa.

É muito cedo para dizer por quanto tempo a pandemia continuará. Depende de muitas coisas, incluindo o trabalho dos pesquisadores para aprender mais sobre o vírus, sua busca por um tratamento, o sucesso das vacinas e os esforços do público para retardar a propagação.

Como o coronavírus se espalha?

SARS-CoV-2, o vírus, se espalha principalmente de pessoa para pessoa. Na maioria das vezes, ele se espalha quando uma pessoa doente tosse ou espirra. Eles podem borrifar gotículas a até 6 pés de distância. Se você os respirar ou engolir, o vírus pode entrar em seu corpo. Algumas pessoas que têm o vírus não apresentam sintomas, mas ainda podem espalhar o vírus. Você também pode pegar o vírus tocando em uma superfície ou objeto onde o vírus está e, em seguida, tocando sua boca, nariz ou possivelmente seus olhos. A maioria dos vírus pode viver por várias horas em uma superfície em que pousam. Um estudo mostra que o SARS-CoV-2 pode durar várias horas em vários tipos de superfícies:

Cobre: 4 horas
Papelão: até 24 horas
Plástico ou aço inoxidável: 2 a 3 dias
É por isso que é importante desinfetar as superfícies para se livrar do vírus.

*Alguns cães e gatos testaram positivo para o vírus. Alguns mostraram sinais de doença. Não há evidências de que os humanos possam pegar este coronavírus de um animal, mas parece que pode ser transmitido de humanos para animais.

O que é propagação da comunidade?

Médicos e funcionários de saúde usam esse termo quando não sabem a origem da infecção. Com o COVID-19, geralmente se refere a alguém que contrai o vírus, embora não tenha estado fora do país ou não tenha sido exposto a alguém que viajou para o exterior ou que tenha COVID-19.

Em fevereiro de 2020, o CDC confirmou uma infecção por COVID-19 na Califórnia em uma pessoa que não viajou para uma área afetada ou foi exposta a alguém com a doença. Isso marcou o primeiro caso de disseminação da comunidade nos EUA. É provável que essa pessoa tenha sido exposta a alguém que estava infectado, mas não sabia disso.

A taxa de transmissão é relativamente alta. Pesquisas iniciais estimam que uma pessoa que a tem pode espalhar para 2 a 2,5 pessoas. Um estudo descobriu que a taxa era mais alta, com um caso se espalhando entre 4,7 e 6,6 outras pessoas. Em comparação, uma pessoa com gripe sazonal a transmitirá para 1,1 a 2,3 outras.

O Ministério da Saúde relata que há evidências de que ele pode ser transmitido se você ficar a menos de 2 metros de alguém infectado por um total de 15 minutos ao longo do dia. Anteriormente, acreditava-se que a exposição deveria ser de 15 minutos por vez. Podemos trabalhar para reduzir a taxa de transmissão lavando as mãos com frequência, mantendo as superfícies comuns limpas, limitando o contato com outras pessoas e usando máscaras de pano quando não podemos ficar a 6 pés de distância dos outros.

Tratamento do coronavírus

Não há tratamento específico para COVID-19. As pessoas que apresentam um caso leve precisam de cuidados para aliviar os sintomas, como repouso, ingestão de líquidos e controle da febre. Tome remédios de venda livre para dor de garganta, dores no corpo e febre. Mas não dê aspirina a crianças ou adolescentes com menos de 19 anos.

Você deve ter ouvido falar que não deve tomar ibuprofeno para tratar os sintomas do COVID-19. Mas o Conselho Nacional de Farmácia diz que as pessoas que têm o vírus podem usar anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) ou paracetamol, como de costume. Os antibióticos não ajudam porque tratam bactérias, não vírus. Se você ouvir falar de pessoas com COVID-19 recebendo antibióticos, é para uma infecção que veio junto com a doença.

Pessoas com sintomas graves precisam de cuidados no hospital?

O medicamento antiviral chamado remdesivir (Veklury) é o primeiro medicamento a obter a aprovação para o tratamento de pacientes hospitalizados com COVID-19. Desenvolvido originalmente para tratar o Ebola, a evidência mostra que aqueles tratados com remdesivir se recuperaram em cerca de 11 dias, em comparação com 15 dias para aqueles tratados com um placebo. Muitos ensaios clínicos estão em andamento para explorar os tratamentos usados para outras doenças que poderiam combater o COVID-19 e para desenvolver novos.

Por exemplo, testes estão em andamento para tocilizumabe, outro medicamento usado para tratar doenças autoimunes. E o FDA (Agência de Vigilância Sanitária dos EUA) também está permitindo os ensaios clínicos e o uso hospitalar de plasma sanguíneo de pessoas que tiveram COVID-19 e se recuperaram para ajudar outras a construir imunidade. Você vai ouvir isso chamado plasma convalescente. Atualmente, a evidência de sua eficácia é limitada.
Você pode ter ouvido falar muito sobre os medicamentos antimaláricos hidroxicloroquina e cloroquina. A Anvisa originalmente concedeu o uso emergencial dos medicamentos, mas depois o rescindiu porque os estudos não mostraram que os medicamentos funcionavam contra o COVID-19 ou que seus benefícios superam os riscos. Uma variedade de medicamentos esteróides estão sendo usados, incluindo dexametasona, que é usada para tratar condições como artrite, distúrbios do sangue / hormônio / sistema imunológico, reações alérgicas. Mais estudos sobre a eficácia ainda estão sendo conduzidos.

Gabriel Correia Lima é Bolsista FAPESP de Iniciação Científica pelo Laboratório Nacional de Biociências (CNPEM). Graduando do curso de Ciências Moleculares da USP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Top