O Rio de João do Rio

João do Rio foi um grande jornalista e cronista, que ocupou uma cadeira na Academia Brasileira de Letras, considerado o primeiro escritor moderno da literatura brasileira.

A produção literária de João do Rio é marcada pela sua relação com a cidade, captando as mudanças físicas e sociais.  As crônicas compõem a maior parte de seus escritos, mas ele também produziu peças teatrais, romances e traduções.

 Um dos seus títulos mais conhecidos, “A Alma Encantadora das Ruas”,   acompanha as transformações urbanas relacionando-as com representações culturais.

Ao falar das ruas do Rio de Janeiro, sua narrativa expõe as incoerências entre a cidade da Belle Époque e a real cidade do Rio de Janeiro, e revela as estruturas e relações sociais que foram geradas e/ou modificadas com a construção da Belle Époque brasileira.

A Belle Epoque foi um periodo durante a Primeira República de grandes reformas arquitetônicas na cidade.

Buscava uma renovação cultural espelhada nas grandes metropóles europeias, em especial Paris.

Como marco deste processo está a derrubada do morro do Castelo, símbolo da fundação da cidade, que teve início em 1904.

Dentre as consequências sociais podemos destacar a demolição e expulsão de comunidades pobres moradoras do Centro da cidade, que se dirigiram para os morros e subúrbios.

 A zona portuária da cidade passou por enormes obras, e João do Rio registrou como a modernização arquitetônica e tecnológica coexistiam com as camadas mais pobres e trabalhadoras da população.

Na crônica "Os trabalhadores de estiva" podemos ler como era o dia dos trabalhadores de estiva, sua rotina desgastante, perigosa e mal remunerada.

João do Rio demonstra em suas obras uma rara preocupação à época de ouvir e transmitir a perspectiva das camadas mais pobres  da sociedade.

Desta maneira, suas obras são importantes fontes para aqueles que desejam compreender a Primeira República por uma ótica menos institucional e mais popular.

Venha ver o nosso novo texto:  "A comunidade portuária por João do Rio" =)

Fotos: Biblioteca Nacional