Vírus chinês?

A pandemia do novo coronavírus reforçou   ataques racistas aos chineses, seus descendentes e pessoas do leste asiático em geral

Desde o período colonial, o Brasil conhecia os produtos chineses como o chá, porcelana,  seda e leques.

A entrada e saída de navios vindos do continente asiático introduziu novos objetos e hábitos na sociedade colonial, como a serpentina (palanquim) 

É no século XIX que a imigração chinesa passa a ser discutida. Com a possibilidade do fim da escravidão,  os fazendeiros voltam-se para a China em busca de mão-de-obra, tida como fonte de trabalhadores baratos e servis, chamados de coolies.

Foto: Biblioteca Nacional

Foto: Biblioteca Nacional

No século XIX a chamada ‘Questão Chinesa’ dividiu opiniões no Congresso e na imprensa brasileira, contribuindo para a produção de um imaginário nacional sobre o chinês,  em grande parte negativo.

Foto:LEE, Ana Paulina. Mandarin Brazil  Stanford University Press, 2018.

As charges produzidas na imprensa demonstram como esse imaginário foi construído para toda a população, mesmo os analfabetos.

Legenda:  "O chim é um pouco desengonçado é verdade, mas incontestavelmente ninguém trabalha melhor do que ele... em abanar-se."

A narrativa dos que reprovavam a imigração chinesa propagava a imagem  do chinês como ‘ladrão de galinhas’, ‘viciado ao ópio’, ‘indolentes’, ‘degenerados’, ‘atrasados’, 'imoral' e racialmente inferior ao europeu, tido como "imigrante ideal.”

No contexto das teorias raciais, o chinês era colocado como elemento inferior junto ao negro, se tornando um perigo para os ideais de progresso e civilização da nação.

Legenda: Preto e amarelo.  É possível que haja quem entenda que a nossa lavoura só pode ser sustentada por essas duas raças tão feias! mau gosto!

A imigração em massa não se concretizou, com a entrada de pouco menos de 3.000 chineses ao longo do século XIX. É apenas no século XX que os cerca de 300 mil chineses que hoje vivem no Brasil passam a chegar em grande número ao país.  Os estereótipos e racismo, porém, permanecem como a maior herança dos debates travados dois séculos atrás.

A permanência do Racismo  permite a propagação de narrativas falsas como a do "Vírus chinês", espalhando ódio e reforçando imagens negativas sobre a população chinesa e seus descendentes.

 Para se aprofundar no assunto não deixe de ver o vídeo anexado!   =) 

Um abraço virtual pela ajuda à Bruna Barreto!! =)